A quem interessar…

Vou  ali…
Mas não vou apenas com a cara e coragem. Digo que levo comigo nossos últimos momentos juntos. Levo a lembrança de cada abraço apertado, dos almoços grátis agendados de última hora; levo as palavras de apoio e de carinho, e levo também, um coração constrito.
Mas não vou sem deixar nada em troca. Ficam aqui minhas últimas palavras. Fica minha tristeza em forma de sorriso e ficam, também, meus sentimentos mais sinceros de amor e de saudade a cada um de vocês, amigos e família, que deixo aqui na torcida e na expectativa da minha volta.

Me vou
Então sofram um pouco, mas não muito. Porque quem é vivo sabe que sofrer mais do que o necessário atrasa muito a cicatrização de toda essa saudade. Ao invés disso, façam que nem eu: permitam sentir essa dor passageira e, mesmo contra a vontade, abraçem novas aventuras, novas hitórias, novas pessoas e seus mundos; novos amores e novos amigos também.
Digo que me substituam se for preciso e se isso lhes fizer o bem. Não tenham a dúvida de que, se for este o caso, vocês tem o meu apoio incondicional, visto que, o meu maior desejo nessa vida é ver vocês sorrindo sempre. E se toda essa dor for grande demais para suportar, digo que me esqueçam. Não quero que sofram toda vez que vocês entrarem no meu quarto vazio ou quando vocês, por engano, tiverem a impressão de ter me visto atravessando a rua ou andando por aí.

Eu vou. Mas volto…
E quando voltar, reencontrarão um velho desconhecido a quem, por toda a saudade acumulada, terão que ter paciência; pois trarei comigo uma bagagem de histórias, conquistas, mentiras e tragédias, que, desde o momento em que essas coisas me ocorrerem, morrerei de vontade de contar em detalhes para cada um de vocês. E se eu não chorar, não fiquem tristes e nem duvidem do meu amor, mas encarem isso como o meu melhor ato de encenaçao a fim segurar as lágrimas o tempo suficiente para escondê-las de vocês. Se digo que não farão falta saibam que faço uso do meu melhor blefe numa tentativa desesperada de provocar indignação e raiva a fim de que isso ocupe o lugar da saudade no coração de vocês.

Eu sei, talvez não seja tão importante assim na vida de vocês.
Mas já que eu estou me enganando, permitam também, como um último capricho, que eu me iluda acreditando que tudo o que escrevi até agora foi para proteger vocês, e não a mim mesmo.

Eu digo que…
Vou.

Mas deixo aqui
meu breve
adeus
.


Falou fellas!

S3

Eu estava participando de uma maratona gigantesca em que as pessoas estavam fantasiadas. Encontrei alguns amigos (da vida real) vestidos de vampiros, policial e outros vestidos normamente, de camiseta e shorts.
Mas nessa maratona cada um podia escolher o caminho que quisesse até chegar no ponto final, contando que o competidor corresse e não utilizasse qualquer tipo de veículo. 
Eu escolhi um caminho não convencional porque era mais longo mas era o mais rápido se eu corresse bastante porque o caminho era plano e tinha beeeeem menos gente, então, eu poderia manter o ritmo que eu quisesse sem esbarrar nos outros corredores.
Mas enquanto eu ia correndo alguem atras de mim ficava me dando suporte, dizendo como eu estava correndo bem e como estava orgulhoso de mim…e só fui me dar conta de que era minha (agora falecida) avó depois de ter corrido alguns kilometros. Conforme ela ia me apoiando eu ia ganhando mais energia e correndo cada vez mais rapido sem perceber que isso fazia minha avó se esforçar ainda mais para poder continuar me acompanhando. 
De repente eu parei de ouvir minha avó torcendo por mim mas só dei a falta disso depois de uns bons 10 minutos (no tempo do sonho, sei lá quanto isso representa). Foi quando eu parei de correr e olhei pra trás e vi minha avó deitada no chão com as mãos sobre o tornozelo. Fiquei abismado.
Voltei correndo pra onde ela se encontrava. Ela tinha pisado em uma poça de cimento fresco que tinha formado argolas em volta do tornozelo dela. Comecei a quebrar desesperadamente e o tornozelo dela ficou ok. Mas o joelho dela estava todo machucado e ela precisava ir pro hospital. Eu fiquei desesperado e bravo com ela. Fiquei gritando porque ela não tinha me chamado para pedir ajuda e porque ela tinha ficado lá sofrendo sozinha enquanto ela me falava pra continuar e que ela ficaria bem. Foi quando eu acordei meio gritando meio gemendo, como se quisesse falar alguma coisa. Era meio dia e vinte e tres minutos (férias, gente, férias). Tinha sido um pesadelo.

Foi um daqueles sonhos que pareciam muito reais e apesar de ter sido um pesadelo foi legal a sensação de estar com minha avó de novo. Sei que não foi real mas a ‘vida real’ é sobre conexões neuronais e como o cérebro reconhece e interpreta o mundo em sensações, não?
Enfim, foi bom te ‘reencontrar’ minha amiga velha. Se voce estivesse viva eu sei que estaria me apoiando e que voce tem orgulho de mim. Me espere na linha de chegada porque estou correndo até voce. Sinto sua falta. Adeus.

Falou fellas.

S2

Não, não é um coração, é o segundo sonho que eu tive que eu achei legal. Se bem que pensando agora não parece nem um pouco legal e eu nem lembro de nenhum detalhe mais.

Esse meu sonho na verdade parece mais um pesadelo mas ok.
Eu estava em um lugar que era tipo um purgatório, onde todas criaturas iam depois da morte e antes de serem jugados se iam para o céu ou para o inferno. Eu digo criaturas porque nesse meu sonho tinha aliens e uns bixos semi-humanos, meio quimeras assim.
E nesse lugar estava tendo uma competição não sei de quê e não sei pra quê mas era muito importante. Todos estavam ansiosos para que esse torneio começasse. Eu estava com um grupo de amigos mas não me lembro quem eram. Não sei se eram meus amigos da vida real ou se eram alguns amigos inventados pela minha mente. Mas alguma coisa não parecia certa. Todos estavam andando meio esbarrando e meio capengas. Nesse purgatório em que estávamos ninguém enxergava, todos eram cegos. Todos menos eu e mais um amigo e isso, como vocês podem imaginar, nos daria uma vantagem imensa sobre outros competidores e, ao mesmo tempo, nos colocava em grande perigo pois se alguém descobrisse a gente seria morto na hora.
Estávamos todos em cima de uma colina e o lugar, que era um campo aberto, estava preto  de tanta gente/bixos que estava no local. E lá longe começou a sair uma fumaça estilo show de cantores, sabem? E entre a fumaça aparecem 3 criaturas que mais pareciam insetos que humanos. E eles conversavam com os candidatos. E os candidatos os reverenciavam com entusiasmo. 
Os 3 seres pareciam ser cegos também mas providos de grande sensibilidade. Não andavam truncados que nem os candidatos mas se moviam com fluidez por entre a multidão e um deles veio até nós conversar. Eles não enxergavam nada mas pareciam conseguir ver a intenção das pessoas só de conversar com elas. Um deles me perguntou qual era o meu número de inscrição. Eram uns 6 ou 7 dígitos, eu nem me lembro mais, mas lembro que na hora eu tinha ficado com muito medo de descobrirem que eu enxergava e por isso tinha ficado quieto, na esperança de que eles não percebessem minha presença. Me perguntaram por mais 2 ou 3 vezes e foi quando um dos meus amigos no grupo respondeu por mim e eu repeti meio gaguejando. Esses 3 juízes, digamos assim, eram carismáticos e não ficaram bravos nem nada. Mas eu sabia que o carisma deles mascarava a maldade que eles carregavam. Sabe? meio coringa assim? Esse é o estilo de vilão que dá mais medo porque é o mais traiçoeiro. 
Foi quando eu acordei meio assustado meio suando frio. Olhei pro relógio era 5 e pouco da manhã e pensei em digitar isso na hora mas tava com muito sono e dormi de novo. 

Falou fellas!

Break

Pausa dos estudos. Na verdade não é pausa. Eu não posso me dar o direito de pausar, mas é porque eu to ficando ligeiramente desesperado e precisava desabafar. Meus amigos, é claro, tão me falando que eu vou repetir o ano e nunca vou conseguir ser médico.
Tenho algumas horas. 8 na verdade. Aproximadamente 6 alto ou 7 baixo pq pra me arrumar e ir pra facul vai demorar um pouco. Sim, 6 a 7 horas pra terminar de ver a COLETANEA de questões de neuro e começar gastro e pulmonar. Droga, o rendimento dos meus estudos nos últimos 3,4 dias foram um LIXO. Isso porque eu preciso revisar as matérias passadas…Calma. Respira. Eu preciso de 3.7 amanhã! de 10 no total? Vai ser E-Z. Se eu enrolar em todas as questões escrevendo alguma coisa a ver eu passo. 20 questões? Pssssh me mandem 50! Brincadeira. To suando frio com 20 questões. Amanha vou fazendo as questões e anotando os pontos. Sim. Com sorte vão ter umas 5 questões iguais aos da coletanea na prova. Se eu acertar vou ter 20 pontos. Eu preciso de aprox 32 pontos. Enrolando nas outras 15 questões acho que sai uns 12 pontinhos. SIM. Esse é o worst case scenario. É sempre bom pensar no pior. Não posso pegar segunda época de FISIO MA NEM FODENDO. E o pior é que depois de amanha tenho FARMACO (de novo!). Mas calma, uma coisa de cada vez. Primeiro neuro, gastro, pulmonar e revisar pra fechar fisio. Depois farmaco. É, é isso o que eu vou fazer. Adeuses e boa sorte pra mim.

Falou fellas!

Edit: Sai da prova. Como eu sou exagerado. 3.7? acho que tirei 4.0! To esbanjando. Quem quer 0.3 ai?

To zuando, mas fui bem. Amanha tem farmaco mas tá mais suave. 

Edit2: NOSSA 5 de fisio e 5.8 de farmaco, que tenso me caguei todo aqui. Achei que eu fosse melhor :/ Mas ENFIM. FERIAS! (Ano que vem vou estudar de verdade!)

S1

Obs. Fui reler o texto e parei no primeiro parágrafo. Nossa, esse theme é horrível pra ler e não sei se é porque as letras são pequenas ou se são as cores mas machuca os olhos…vsf.
Leiam por conta e risco, eu vou procurar um outro tema pra mudar depois.


     Então eu tive esse sonho estranhíssimo, e quando acordei tive a idéia de começar a escrever os sonhos aqui. É claro que apenas as sonecas de tarde vão contar porque quando acordo de manhã eu preciso ir pra facul, e ctz que não vou me lembrar depois.

     Enfim, o sonho começava assim, do nada eu já tava em um lugar que parecia um parque. Estava vazio. O dia era claro e o lugar bem conservado, gramas cortadinhas e calçadas sem lixo. Chegando mais perto de um dos prédios que tinham me deparei com um galpão vazio com escadas que pareciam dar em sala de aulas. Não estilo harry potter, mas estilo meu colégio antigo. (Até ai eu sei de onde meu cérebro doentio tirou mais ou menos o lugar). Dei uma olhadinha rápida no lugar e não tinha nada. Nenhum aluno, professor ou qualquer outro funcionário. 
     Então, fui seguindo o caminho de um corredor próximo em direção a um outro prédio que parecia um auditório mas os vidros estavam com insu filme e não dava pra ver o que tinha dentro, apenas projeções de luzes roxas/azuis. Dava pra ver que estava cheio porque algumas pessoas estavam tentado ver do lado de fora da porta. Chegando mais perto eu vi que estava tendo algum evento. Apresentação de música, ou alguma comeptição de dança, sei la. Mas aquilo não me interessou muito e eu fui embora. 
     Achei umas escadas com um elevador, mas mesmo assim decidi escolher a escada. Subi alguns lances de escada e no andar superior tinha várias portas, como se fosse um corredor de dormitório. (Se preparem, agora é que fica começar sem nexo e com uns “flashes”). Eu abri uma porta qualquer e era a casa dos meus tios. Aparentemente eu tinha ido visitá-los. A casa era grande. Muito, mas muito maior daquilo que alguém esperaria encontrar atras de uma porta daquelas. Enfim, minhas coisas já estavam lá e eu encontrei meu tio e tia, que, a propósito, não se pareciam nem um pouco com meu tios de verdade. Ele era bolado e tinha cabelo comprido. Minha “tia” era alta, da mesma altura que ele e tinha um certo glamour mas nao era bonita e dava pra ver que a idade já tinha afetado a beleza dela. Me lembrava aquelas gueixas japonesas ou aquelas mulheres excessivamente maquiadas da china (heuaheuaheu mal ae tia).
     Do nada era de noite e eu tava de volta naquele auditório. Ainda tava rolando o evento mas algumas pessoas estavam saindo, e eu pude ver que a faixa de idade era parecida com a minha, então presumi que o lugar fosse um campus de uma universidade. Eu ia entrar no lugar e encontrei meus amigos! Eles não pareceram surpresos ou animados em me ver, parecia que era mais um dia qualquer. Mas (agora é weird as fuck!) eu tava cumprimentando a galera e começei a beijar uma amiga. WTF BRAIN. Não foi beijo intenso, foi um selinho só, mas ela ficava falando: não é assim que se cumprimenta, me cumprimenta direito. E ela ficava dando selinho. RIDICULO, SONHO ESCROTO. [Ela nem é bonita na vida real, meu deus, por que??]
     Dai do nada eu tava no quarto de novo, mas tinha acabado de acordar (sim, acordei no meu próprio sonho. Inception much?). A casa era grande mas parecia que eu tava em um sotão. O lugar era espaçoso mas sem móvies, apenas com um colchão para dormir, e minhas coisas todas espalhadas pelo chão. Meu tio também tava dormindo em um outro colchão do lado. Eu desci um lance de escadas (acho q era duplex a casa) e eu vi um lugar CHEIO de camas. E lá tava minha tia e meu avô (que eu nunca vi na vida mas que sabia que era meu avô.) e conversei com eles, não lembro o q era agora mas descobri que eles eram assassinos profissionais. HAHA.
     Fui dar mais uma volta pelo campus e achei uma menina bonitinha. Não gostosa nem nada. Só bonitinha. E tava garoando. Ela estava presa na calçada porque a rua tava molhada com poças de água e uns galhos de arvore tavam atrapalhando o caminho dela. E ela tinha medo que as folhas encostassem nela (HAHAHAHA). Por algum motivo eu sabia de tudo isso e dei uma afastada nas folhas pra ela passar. Ela passou e me agradeçeu. Não sei porque mas no sonho eu quis conhecer e conversar com ela. A gente não conversou nada de mais mas do nada eu tava de bermudas/pijamas. Acho que tinha saido da casa dos meus tios sem trocar de roupa. Então falei pra ela esperar rapidinho que eu ia trocar de calça pra a gente ir tomar alguma coisa. Chegando em casa meu tio tava acordado e desenhando. E eu já sabia que era assim que ele matava as pessoas. Dai eu acrodei.


Já tive sonhos piores/mais engraçados, mas tirando as partes estranhas achei o sonho legal. “Foda-se” voce diz? É…foda-se.

Falou fellas!